sexta-feira, 30 de março de 2007

Educação não é apenas formar.

Educação empreendedora não pode ser apenas formar, pois formar é colocar em uma forma, e o empreendedor é exatamente aquele que questiona a forma em que foi colocado. - Carlos Lavieri

Se limitamo-nos a fazer aquilo que nos foi ensinado, não haveria inovação, não haveria desenvolvimento, e seríamos ainda apenas comedores de bananas. Se schumpeter disse corretamente que o empreendedor é aquele que rearranja recursos com ganho econômico, ou seja, o inovador, deu conceito a idéia de Nietzsche... Um dia seremos também super-homens? Que é o macaco para o Homem?

quinta-feira, 29 de março de 2007

A escola e a vida.

A escola não prepara para a vida, ela é a vida... Quanto seria melhor a nossa educação se os professores, pais, coordenadores e outros que torcem pelo "vir a ser", percebessem que toda a educação não é um projeto para o futuro, mas para o presente.

terça-feira, 27 de março de 2007

Descoberta de Oportunidades

Aspectos que parecem ligados a invenção/descoberta de novas idéias e oportunidades:
Rede de Amigos, Acesso a informação privilegiada, Acesso a grupos com opniões conflitantes (não uniformes), trabalhar com pesquisa, (GLAZIO E KATS), acesso a informações "frescas", empregos na área de PeD e na área comercial e uma estrutura mental apropriada (esquema - alerta empreendedor).

segunda-feira, 26 de março de 2007

GRUPO DE EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA

ATA da Reunião do dia 20 de Março, realizada na Agência de Inovação da
USP na antiga reitoria, sétimo andar.


Compareceram:

Carlos A. Lavieri
Alvaro Mello
José Siqueira - Poli USP
Mara Sampaio - Sebrae
José Pereira Castro - UMC
Paulo Roberto Silva dos Santos - UMC
Silvia Guzzardi Amorim - Poli USP
Claudio Teruydis e Oswaldo - Inovação USP
Rose Lopes -
Odair Soares - BSP
Zila Grassiotin - Unifieo


Decisões da Reunião:

1) Datas das próximas reuniões.
Ficou combinado que as reuniões ocorrerão nas últimas terças-feiras do
mês. Assim as datas das próximas já estão estabelecidas e o espaço
reservado na Agencia de Inovação da USP.

- 24 de Abril das 14h15 às 16h15.
- 29 de Maio das 14h15 às 16h15.
- 26 de Junho.

Além disso, a cada reunião haverá a apresentação de um dos membros do
grupo para o restante (Symposium) , sobre um aspecto da educação
empreendedora. No primeiro encontro, a Rose fará uma introdução sobre
o tema, apresentando os conceitos americano (Ohio) e europeu, a
duração será de 40 minutos e precederá a reunião. A Rose enviará o
artigo sobre o tema antes da apresentação. As apresentações serão
abertas a todos os que desejarem assistir.

2) Ficou acertado que o Nilson vai enviar ao grupo a primeira versão
da pesquisa elaborada pelo grupo de empreendedorismo do CRA, para
discutirmos se queremos mexer na pesquisa, ou se vamos usar a mesma.


3) Objetivos do Grupo

Perguntas fundadoras:

As primeiras perguntas que o grupo terá como tema são: "
O que é
educação empreendedora?
" e "O que é um aluno empreendedor?".

Conceituar, Divulgar e Pesquisar o tema Ed. Empreendedora.
Atuar para a promoção do grupo como um todo, e de seus membros.
Trocar Informações e abrir oportunidades entre os membros e IES
ligadas ao grupo.
Aprofundar as discussões sobre a educação ligada ao empreendedorismo.

4) O grupo se comprometeu a convidar outras instituições que tenham
interesse em participar, pois ainda estamos em fase de consolidação.
No entanto os membros presentes colocaram que está chegando a hora de
decidir os critérios que determinaram quem é membro do grupo, e quem
ao contrário vai apenas receber informes pelo e-mail, neste sentido, a
uma cobrança para a participação mais efetiva dos interessados.

5) José Siqueira da Poli sugeriu que o grupo atuasse pensando em
organizar um evento "como forma de chamar a atenção e consolidar o
grupo". Discutiu-se um evento de porte, que pudesse contar com
patrocínios, e servir como experiência para formação de
empreendedores. Lembrou também a oportunidade de participar do REELA
em outubro.

6) Os presentes observaram que os grupos organizados na reunião na São
Paulo Business School ainda não apresentaram resultados e pedem um
relatório do andamento.

7) O CRA não se manifestou quanto a nossa solicitação de suporte.

8) Finalmente o grupo propôs uma formalização mais efetiva, para
facilitar a captura de patrocínios, construção de parcerias e
significado do grupo.

9) Operacionalmente fiquei responsável por convidá-los novamente ao
grupo de educação empreendedora do Google. O grupo do Yahoo será
desativado.
Peço as seguintes providências. Verifiquem se vocês estão recebendo as
mensagens pelo grupo do GOOGLE, e aqueles que não as estão recebendo:
ou não foram adicionados e devem me cobrar isso; ou foram adicionados,
mas configuraram o sistema para não receber o e-mail; ou para recebê-
lo em algum e-mail que não costumam olhar; ou finalmente estão
recebendo o e-mail, mas ele está sendo filtrado por algum anti-SPAM.

sábado, 24 de março de 2007

Quer saber mais sobre educação empreendedora, junte-se ao grupo de discussão. A próxima reunião será dia 24 de Abril às 14h15 minutos na Agência de Inovação, USP, prédio da velha reitoria, sétimo andar, São Paulo SP.

sexta-feira, 23 de março de 2007

Escola da Empreendedores.

Certamente há espaço para cursos que objetivam desenvolver a cultura empreendedora, mas não é possível o que eu recebi hoje. Um panfleto da Aruanda.org, que discute uma escola de empreendedores e que tem no seu texto a frase:"A OSCIP - Organização da Sociedade Civil de Interece Publico(sic)". Meu deus, uma escola deve no mínimo trazer o português correto, vá lá não acentuar "público", mas interesse com "c"?!. Automaticamente eu desconfio da qualidade do curso. Falta comentar que os parceiros do projeto são o Sebrae, o Banco do Brasil, O Ministério do Desenvolvimento e a Prefeitura de São Paulo, ou seja, é o nosso dinheiro indo para o ralo.

quinta-feira, 22 de março de 2007

Empreendedorismo uma visão do processo.

O livro de Baron e Shane, finalmente em português pela Thompson, trazem boas colaborações para o estudo do empreendedorismo e não ficam na "chutação" típica da área. Os autores por exemplo falam em memória procedural e oportunidades destruidoras de competências. O livro no entanto não aborda a Educação empreendedora.

quarta-feira, 21 de março de 2007

Educação Empreendedora e para administradores.

Muita confusão se faz entre educar empreendedores, e ensinar conceitos de administração para aqueles que já "estão empreendedores". Primeiro devemos entender que empreender é um processo, e não uma coisa, assim ninguém é "empreendedor" a todo o momento da vida, assim como ninguém é um "lider" a todo momento.

Boa parte dos negócios fracassam porque os empreendedores não tem conceitos de administração, ou seja, não sabem prever as flutuações de caixa, não sabem pensar no próprio produto como um produto de marketing, em suma não dominam as ferramentas do marketing, das finanças, da produção... Para estes, é perfeitamente coerente ensinar o instrumental da administração, afim de aumentar a efetividade de seus empreendimentos.

Por outro lado, o que caracteriza o empreendedor é a inovação, ou seja, a invenção aplicada com "sucesso" economico, e para estes, o curso de administração não basta. Muitas vezes aqui, pode-se falar em desenvolver uma atitude empreendedora, em ser criativo, em "aceitar riscos calculados" (seja lá o que isso signifique), em mudar suas atitudes. Basta pensar que uma parte significativa dos administradores de grandes empresas, ao iniciarem um negócio próprio, muitas vezes fracassam.

A educação empreendedora, portanto, é a busca por preparar as pessoas para inovar, imbuí-las do espírito e da atitude necessária ao resultado econômico favoravel em seu empreendimento. A questão que emerge daí é intrigante. Pois não é descrevendo o processo criativo, que conseguiremos aumentar a criatividade de alguém, dá mesma forma como não se consegue explicar o processo de "ganhar um jogo de futebol".

"Empreendedorismo não é arte, nem ciência é prática" - P. Drucker.

terça-feira, 20 de março de 2007

Schumpeter - Um dos papas do empreendedorismo, coloca a inovação como peça chave para conceituar o empreendedor. Será?

As próximas reuniões do grupo de educação empreendedora serão nos dias 24 de Abril de 2007, 29 de maio de 2007 e 26 de junho de 2007. No caso sempre às terceiras quartas feiras do mês às 14h30 na USP.

segunda-feira, 19 de março de 2007

Roundtable on Entrepreneurship Education

Em outubro o evento http://reela2006.espol.edu.ec/ - REELA (Roundtable on Entrepreneurship Education Latin America), vale a pena ser visitado.

http://www.cpa20.com.br

Mudando mentes

O livro "Mentes que Mudam" traz interessantes insights sobre o que é aprender. Escrito por Gardner, e apesar do título de auto-ajuda, ele coloca questões interessantes, e apresenta também alguns "como fazer alguém mudar".
- Apresentar o mesmo conteúdo com diferentes formas. (mas as vezes forma e conteúdo são indissociáveis);
- Fazer um trabalho gradativo;
-Em suma, os aspectos a serem considerados na mudança mental são: Racionalidade x Pesquisa X ressonancia x recursos e recompensas x redescrições representacionais x Eventos externos x resistências.

Gostei muito.

domingo, 18 de março de 2007

Marcos Hashimoto - Abismo separa empreendedores do mundo acadêmico

Abismo separa empreendedores do mundo acadêmico

Desde que comecei a me dedicar ao estudo do empreendedorismo tenho me surpreendido com a quantidade de conhecimento já gerado por universidades do mundo inteiro e tenho me refestelado com todo este aprendizado. Da mesma forma, tenho me surpreendido com a amplitude das áreas de estudo em empreendedorismo: start-ups, Empreendedorismo social, empreendedorismo corporativo, educação empreendedora, inovação, sobrevivência e mortalidade, empresas familiares, empreendedorismo feminino, empreendedorismo étnico, empreendedorismo internacional, franquias, jovens empreendedores, pequenas e médias empresas, empreendedorismo na economia, fontes de investimento, empreendedorismo no setor público, empreendedorismo rural e regional, perfil empreendedor, empreendedorismo na terceira idade, entre vários outros.

Mesmo assim, circula no meio acadêmico uma certa crença de que o tema ainda é muito novo, existe pouca unanimidade sobre o assunto e trabalhos de pesquisa nesta área não recebem os devidos créditos por parte da comunidade científica. Provavelmente o caráter multidisciplinar do tema e a visibilidade popular que o assunto ganhou nos últimos anos contribuíram para esta aura de ‘patinho feio’ entre os pesquisadores.

O curioso é que, do outro lado, dos empreendedores, o meio acadêmico tampouco desperta algum interesse real. Muitos empreendedores acabaram interrompendo os estudos para perseguir seu sonho do empreendimento próprio. Outros tentaram manter a fé na educação ou tentaram voltar ao banco da escola depois de estabilizar seus negócios, com a esperança de agregar valor ao seu negócio através do aprendizado acadêmico. Não raro, a frustração envolvia estes esperançosos ao se deparar com a distância entre o conhecimento teórico e sua realidade do dia-a-dia.

Afinal de contas, qual a importância de conhecer o US GAAP se ele mal consegue entender o que seu contador diz? Para que serve o Balanced Scorecard se ele não tem sequer as métricas básicas para conhecer seu negócio? De que adianta calcular o duration de aplicações em derivativos se nem conhece opções de investimentos? Como pensar em marketing experiencial se nem sabe monitorar a satisfação dos clientes?

O que vemos, em resumo, são empreendedores se afastando cada vez mais de cursos e escolas de negócios porque os conteúdos não trazem respostas práticas aos desafios diários ao mesmo tempo em que acadêmicos se afastam cada vez mais dos empreendedores por acharem que estas questões são mundanas demais, simples demais, corriqueiras demais, para eles estudarem com a profundidade que querem.

Não são todos que enxergam o enorme abismo entre estes dois mundos, assim como são menos ainda aqueles que se dispõem a diminuir esta distância. Aqueles que se aventuram a perseguir este caminho acabam caindo no ostracismo do esquecimento e da rejeição dos dois públicos. O grande desafio das escolas de administração que se dizem aptos a formar empreendedores, está, antes de tudo, em reformular suas grades para trazer conteúdos específicos e práticos, em segundo lugar, trazer acadêmicos que falem e queiram falar a língua do pequeno empresário e em terceiro lugar, entender que o aprendizado para este público não acontece só em sala de aula.

Uma experiência bem sucedida foi realizada pelo Ibmec São Paulo no início deste mês. Em um evento voltado apenas para empresários, a entidade trouxe um palestrante que, de forma bastante informal, trouxe para debate as principais dificuldades e limitações enfrentadas pelo empreendedor na gestão financeira de seu negócio. A parte inovadora da proposta do encontro, entretanto, coube à segunda parte do encontro, em que os participantes foram divididos em grupos de discussão sobre sub-temas de finanças previamente estabelecidos. Nestes painéis, não havia um acadêmico ou palestrante, mas apenas um mediador, sem conhecimento técnico nenhum, que coordenava as participações dos empresários, estas sim, altamente instrutivas e enriquecedoras.

A iniciativa mostrou que o empreendedor, solitário na maioria das vezes, em suas decisões estratégicas, não só aprende muito com outros empreendedores, até de áreas de atuação diferentes, como também descobre o valor de seu próprio aprendizado prático para seus colegas. O painel funciona, assim, como um grande fórum de discussões em que se estimula a troca de conhecimentos e experiências práticas, cuja riqueza de variedade e aplicabilidade especifica, supera, em muito, o aprendizado unilateral provido por especialistas, consultores ou professores.

Iniciativas de sucesso em educação para empreendedores só acontecerão entre as escolas que aplicarem esta receita. Vamos acompanhar de perto para ver quem vai agir de forma empreendedora, aprender a mudar seus conceitos, quebrar seus paradigmas e trazer uma nova proposta que esteja alinhada com o jeito pragmático e extremamente objetivo do empreendedor.

* Marcos Hashimoto é Doutorando em Administração pela EAESP/FGV, sócio-diretor da Lebre Consulting, Coordenador do Centro de Empreendedorismo do Ibmec São Paulo, foi executivo no Citibank e na Cargill Agrícola. É um dos autores do software de Plano de Negócios SP Plan da parceria Sebrae-SP/Fiesp, parceiro do Instituto Chiavenato e Instituto Empreender Endeavor e é autor do livro 'Espírito Empreendedor nas Organizações' pela Editora Saraiva..

sábado, 17 de março de 2007

Caro Carlos e Caros Colegas do Grupo:

Para o grupo saber deste journal sobre Educação Empreendedora.
Abraços
Rose mary http://www.senatehall.com/journals.php?journal=1

quinta-feira, 15 de março de 2007

Visite o Blog do Edu Matsushita - Consultor. Ele tem opiniões no mínimo controversas.

Abs.

quarta-feira, 14 de março de 2007

Aprendizagem organizacional e individual.

Todo inventor, até mesmo um gênio, sempre é conseqüência de seu tempo e ambiente. Sua criatividade deriva das necessidades que foram criadas antes dele e baseia-se nas possibilidades que, uma vez mais, existem fora dele.É por isso que observamos uma continuidade rigorosa no desenvolvimento histórico da tecnologia e da ciência. Nenhuma invenção ou descoberta científica aparece antes de serem criadas as condições materiais e psicológicas necessárias para o seu surgimento.A criatividade é um processo historicamente contínuo em que cada forma seguinte é determinada pelas precedentes.

VYGOTSKY, L. S. A formação Social da Mente. São Paulo; Martins Fontes; (1984).

terça-feira, 13 de março de 2007

A alguma diferença entre ensinar um adulto e ensinar uma criança ou até um bebê? Quão presos estamos a nossos modelos mentais? Será que reconhecer oportunidades não é consequência de um modelo mental de avaliação?

segunda-feira, 12 de março de 2007

Interessante que a ANBID certifique o pessoal financeiro em
exames
como o CPA 10 e o CPA 20, ou que a Serasa faça o mesmo para profissionais na área de crédito. Me faz pensar se um dia alguém será certificado em empreendedorismo? A idéia é tão estranha que já traduz parte do problema da educação empreendedora.

Carlos

Para saber mais sobre as certificações:
certificação profissional de crédito serasa.
A reunião do grupo de educação empreendedora ainda não está definida, mas aparentemente deve ficar para o dia 20 de março a tarde.

sábado, 10 de março de 2007

Reunião pré agendada para o dia 20.
Aqui vai um link para o teste do google http://shumpeter.blogsome.com, como o blogsome não é da mesma origem que o blogger, o google deve contar isso como páginas externas que linkam... veremos.

quarta-feira, 7 de março de 2007

Esta semana a Revista Veja publicou matéria sobre pesquisa de Gustavo Ioshipe, comentando que a "má remuneração" do professor brasileiro é um mito. Apesar da má qualidade atual da revista, vale a pena conferir o texto.

Este blog é ótimo:
http://www.carloslavieri.blogspot.com.br

quinta-feira, 1 de março de 2007

Artigo sobre Posicionamento

Estava lendo um artigo americano sobre como "formar opiniões", e é interessante, pois o autor "mostra" que num estudo de três anos, um grupo submetido a textos de posições radicais, para ambos os lados, acaba com uma opnião mais equilibrada que um grupo submetido a textos razoáveis sobre o mesmo assunto. - Melhor guardar esta informação para a dissertação de mestrado em administração.